DD Blog

Cerca de 282 pessoas atendidas por ataques de animais peçonhentos

Com o início do inverno cresce o risco de ataque de animais peçonhentos como escorpiões e cobras. Esses animais acabam migrando do seu habitat natural que está alagado, para as residências e se tornando um perigo para os moradores. Crianças e idosos compõem os grupos que costumam sofrer mais com esse tipo de acidente, que por vezes podem ser graves.

O Centro de Informação e Investigação Toxicológica (CIATOX), há 13 anos é referência em toxicologia no estado. Localizado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) o serviço atende um número significativo de pessoas que são picadas por cobras e escorpiões durante esse período de inverno que vai de 21 de junho a 22 de setembro. Para se ter uma ideia, somente no ano passado o Huse registrou 798 atendimentos a vítimas de picadas de escorpião e outras 118 por picadas de cobras.

No primeiro trimestre deste ano, já foram registrados 20 vítimas picadas por cobras e outras 262 vítimas por escorpiões. De acordo com a médica e toxcologista do CIATOX no Huse, Júlia Cardoso, o paciente é acompanhado por uma equipe multidisciplinar e para que o tratamento seja administrado de forma correta, o ideal é que a vítima leve o agente causador (cobra ou escorpião) para identificação e para que os cuidados sejam adequados.

“Em caso de acidente, a vítima deve procurar imediatamente uma unidade de saúde para que os procedimentos sejam realizados de forma correta e nunca colocarem nenhum produto na região atingida. O médico é o profissional mais indicado para classificar a gravidade dos casos. De acordo com a classificação e os sintomas apresentados pelo paciente dá início ao tratamento com os soros específicos. Em alguns hospitais regionais vão encontrar também os soros específicos e qualquer dúvida acionar o telefone do CIATOX”, explicou.

O Huse dispõe do melhor tratamento para esses casos indicados pelo CIATOX. O número do telefome para as primeiras recomendações antes de chegarem à unidade de saúde é o 0800 722 6001. A ligação é gratuita, com atendimento 24 horas.

Fonte: SES